20.4 C
Berlim
Terça-feira, Junho 28, 2022

Temo o pior para o reinício da Fila dos Santos

Follow US

80FãsCurtir
908SeguidoresSeguir
50SeguidoresSeguir

 

Saints Row procura reinventar-se com a sua reinicialização em 2022. Vimos uma nova jogabilidade e estamos muito preocupados.

Oh, Fila dos Santos. Queria muito esperar por si! Afinal, está a voltar às suas raízes com o reinício de 2022, na medida em que se trata finalmente de uma boa e velha guerra de gangsters, num cenário realista. E depois há as fantásticas opções de personalização, que eu desejaria em cada jogo. Sim, em todos os jogos! Mesmo em Tetris.

Mas a nova Fileira dos Santos tem um problema completamente diferente. E nem sequer quero dizer a crise de identidade em que a reinicialização se encontra.

Não, estou atormentado por preocupações completamente diferentes Porque o criador Volition, depois de alguns trailers cortados de forma picante, revelou uma jogabilidade que mostra Saints Row como é suposto jogar no final. E é isso que me faz tremer. Aqui, a nova Fileira dos Santos parece estar orientada um pouco demais para a terceira parte da série a partir de 2011.

O que pode parecer bastante promissor no papel para fãs de séries e veteranos tem grandes desvantagens. A nova Fileira dos Santos parece ter caído fora do tempo e emula um modelo de jogo que talvez ainda fosse actual há onze anos atrás.

 

Porquê a nova Fileira dos Santos me assusta

O que mostrou a Volition? Depois de vários trailers de história e jogabilidade e de uma exibição excessiva das opções de personalização verdadeiramente impressionantes, o estúdio de desenvolvimento finalmente deu-nos uma visão aprofundada do mundo do jogo – 45 minutos de duração, para ser exacto.

A Volition apresentou algumas missões principais e secundárias, mostrando o que o mundo aberto e os gráficos têm para oferecer, mais uma mão cheia de outros detalhes. Pode ver o jogo espectacularmente editado aqui:

 

Qual é exactamente o problema?

Curto e directo ao assunto: A volição parece mal ter desenvolvido a jogabilidade, o design da missão e o mundo aberto. Porque depois de Saints Row 4 e Gat out of Hell se concentrarem em superpoderes, o reinício volta a uma abordagem (comparativamente) mais realista. Isto significa que a última parte se assemelha fortemente à Linha 3 de Santos. Demasiado forte.

O jogo: Em termos de jogabilidade, Saints Row parece ter evoluído pouco desde as partes anteriores. Na jogabilidade, o novo chefe abata os seus adversários com uma selecção de armas bastante atraente ou entra em combate directo e próximo. Utilizam-se finalizadores ou ataques especiais, que estão muito na direcção das superpotências. Já estamos familiarizados com isto nas filas 3 e 4 de Saints.

Já não posso voar no reboot, mas há um fato ou outros truques malucos que podem definitivamente beneficiar a variedade de jogabilidade. No entanto, tenho a impressão de que os criadores não estão a ser demasiado precisos com a sua reivindicação realista para a Fileira dos Santos. Seja como for, também posso transformar o meu carácter em Shrek, por exemplo. Leia mais aqui:

Saints Row: I wish every game had a character editor like this!

Por falar nisso, ainda não existe um ambiente ou sistema de cobertura destrutível. Em vez disso, corro para trás e para a frente como uma galinha assustada enquanto disparo de todas as armas. Felizmente, os inimigos na jogabilidade mostrada até agora também não causam uma impressão demasiado inteligente. Raramente se abrigam ou variam a sua abordagem quando são disparados. O feedback do golpe também poderia ser mais satisfatório, pelo que os inimigos tropeçam ou se contraem quando são atingidos, mas não necessariamente onde deve doer.

(Não há superpoderes na nova Fila dos Santos. Os artifícios e engenhocas especiais - como o fato de asa - compensam isso.)
(Não há superpoderes na nova Fila dos Santos. Os artifícios e engenhocas especiais – como o fato de asa – compensam isso.)

As Missões: As missões da Fileira dos Santos mostradas podem na realidade ser resumidas de forma bastante compacta: O chefe (ou seja, o meu personagem) corre ou conduz algures, dispara contra alguns inimigos, pressiona botões ou faz explodir algo. Em combinação com a jogabilidade pouco impressionante, poder-se-ia pelo menos esperar que actividades para além da história principal fossem um pouco mais impressionantes.

Mas curiosamente, Volition optou por apresentar antigas missões familiares que pouco ou nada evoluíram em mais de dez anos de história da Fila dos Santos. Disparo contra perseguidores de um carro em movimento, rebento objectos na minha vizinhança imediata sob pressão de tempo ou sou empurrado por veículos e inimigos com ragdoll physics.

Os fãs da série já sabem tudo isto de dentro para fora. E estou quase um pouco chocado por os criadores parecerem estar a pisar água aqui. Pergunto-me se Volition decidiu conscientemente estagnar aqui para deixar os velhos veteranos chafurdarem em nostalgia. Mas parece certamente um pouco confortável.

Pelo menos é-me prometido um pouco de profundidade táctica com uma espécie de mesa de guerra no quartel-general, que utilizo para gerir o meu império criminoso. Mas nada sobre isso parece realmente complexo ou excitante até agora. Não espero nada mais e nada menos do que uma linha lateral divertida com que tenho de lidar de poucas em poucas horas para garantir um rendimento constante no jogo.

(Já conhecemos as missões laterais em destaque da reinicialização da Fileira dos Santos. No entanto, o conceito não foi realmente desenvolvido ou aprofundado)
(Já conhecemos as missões laterais em destaque da reinicialização da Fileira dos Santos. No entanto, o conceito não foi realmente desenvolvido ou aprofundado)

O mundo do jogo: O que temos visto de Saints Row até agora não nos leva exactamente à esperança de um mundo de jogo animado ou imersivo. Mesmo em locais centrais, há poucos transeuntes a pé ou ao volante dos veículos. Aqui, uma fauna animada ou efeitos climáticos tais como redemoinhos ou tempestades de areia (apenas de acordo com o cenário do deserto) compensariam a impressão de um mundo de jogo bastante estéril e sombrio.

Os gráficos: O jogo parece pelo menos bastante sólido e pode ser visto especialmente os seus respeitáveis efeitos de iluminação exuberantes explosões. No entanto, a nova jogabilidade também se revela uma espada de dois gumes: as animações rígidas e os rostos são difíceis de ignorar, os objectos estalam e o nível rapidamente decrescente de detalhe em voo ou à distância pode, por vezes, ser assustador.

Sim, a Fileira dos Santos nunca foi uma tábua gráfica e nem o reinício será feito. Mas poderíamos esperar mais de um novo jogo mundial aberto no ano de 2022 – especialmente em termos de clarividência.

Saints Row quer reinventar-se após um longo hiato, mas ousa sair muito pouco da sua própria zona de conforto em termos de jogabilidade, design de missão e mundo aberto. O resultado poderia ser uma sólida sequela da Linha 3 de Santos – que deveria ter sido lançada há anos atrás.

RELATED ARTICLES

Projecto Novo atirador Ferocious pretende herdar o velho Far Cry com dinos e física

    Se sentir falta do Turok e de um Far Cry of the very old school, deve ficar de olho...

Informação exclusiva: Rogue Trader para abrir o Warhammer 40k aos actores

Os criadores do Pathfinder 2 dão o salto da fantasia para a ficção científica. O que aprenderam eles que...

Os Sims 4: Lobisomens no teste – Desejamos um suplemento como este muito mais vezes!

Os novos lobisomens viram os The Sims 4 de cabeça para baixo. Porque é que o mini-addon mostra o...