6.6 C
Berlim
Sexta-feira, Março 1, 2024

Esperança de histórias para 2024: O cenário de Tales of Kenzera é (quase) nunca visto

Follow US

80FãsCurtir
908SeguidoresSeguir
57SeguidoresSeguir

O jogo de plataformas de ação Tales of Kenzera: ZAU foi recentemente anunciado nos Game Awards. Descobrimos mais sobre o potencial destaque da história numa entrevista exclusiva para a nossa antevisão

Mas mesmo sem nostalgiapode esperar batalhas cheias de ação, passagens de saltos fluidas e uma história comoventea ser jogada. Aqui está um olhar mais atento sobre a recém-anunciada aventura para um jogador para os fãs da história

Um jogo alegre sobre a morte

Salim perdeu o pai com cancro e decidiuprocessar a sua própria história de perda num videojogoporque o jogo criou uma ligação especial entre ele e o pai:

“O meu pai apresentou-me aos jogos desde muito novo. Uma das minhas primeiras recordações é a de jogar Sonic na Megadrive com ele. Fazíamos turnos, era uma atividade partilhada que nos unia muito.

Começou com isso e mais tarde expandiu-se para histórias sobre o meu avô, que era um nganga, um curandeiro espiritual. Um xamã, por assim dizer, sobre quem o meu pai contava todas aquelas histórias malucas que me inspiraram desde muito cedo.
Mas o maior impulso para o jogo foi a perda do meu pai, que era como o meu melhor amigo. Tínhamos uma ligação que nunca poderei partilhar com mais ninguém e Tales of Kenzera honra isso de uma forma especial. “

Fantasmas, inimigos e companheiros

Esta experiência muito pessoal está intimamente ligada à história de Tales of Kenzera: ZAU. O personagem principal, Zau, também perde o pai e tem de lidar com o seu luto. Em vez de aceitar a perda, o jovem herói faz uma aliança com Kalunga, o deus da morte.

Como Nganga (um curandeiro espiritual, como já aprendemos), percorre as terras místicas de Kenzera, infestadas de espíritos, e está determinado a trazer o seu pai de volta dos mortos. Para o fazer, tem de derrubar três entidades poderosas (bem como muitos inimigos mais pequenos). No entanto, encontrarás aliados ao longo do caminho que ficarão do teu lado. As personagens e o enredo são inspirados na mitologia africana Bantu.
(Zau também enfrenta enormes bosses em batalha. São seres sobrenaturais do mito Bantu.)” src=”https://www.global-esports.news/wp-content/uploads/2023/12/Zau-also-faces.jpg” width=”3840″ height=”2160″ /☻

Hellblade como um modelo

A mecânica do jogo e a história devem andar de mãos dadase ambas lidam com a dor de Zau. Isto torna-se claro nas estações de cura, por exemplo:

“Há um elemento no jogo chamado Reflexões – pontos onde podes recarregar a tua saúde. Trata-se de uma mecânica absolutamente normal. Mas, entretanto, passamos por momentos-chave em que o herói fala sobre a dor que está a atravessar. Ele abre-se e, para mim, isso é vital; não escondas a tua dor, partilha-a, fala sobre ela e diz como te sentes. “

No entanto, a verdadeira diversão do jogo não deve ser negligenciada. Para Salim, jogos comoHellbladejá mostraram como isto pode ser combinado com a dor das personagens principais e uma história emocional sobre a perda.

Dança da Máscara Mortal

As batalhas dinâmicas e rápidas do trailer fazem lembrar um jogo de ritmo e são inspiradas em títulos cheios de ação como Devil May Cry. Duas máscaras ocupam o centro das atenções: a máscara do sol e a máscara da lua. Ambas representam a vida e a morte na mitologia africana Bantu e também simbolizam a rapidez com que a mudança entre a alegria e a dor pode ocorrer no processo de luto.

(As máscaras representam dois estilos de jogo que podes trocar e combinar.)
(As máscaras representam dois estilos de jogo que podes trocar e combinar.)

ao mesmo tempo, no entanto, elestrazem consigo diferentes estilos de lutaque podes trocar e combinar rapidamente. Por exemplo, podes congelar o tempo – e os teus adversários – com a máscara da lua ou fazer chover lanças mortais sobre eles com a máscara do sol. Com o tempo, desbloquearás novas habilidades de máscara que te facilitarão a luta e o progresso no mundo do jogo, através do qual saltas, deslizas e sobes.

As batalhas e as passagens de plataformas devem ser “acessíveis, mas ainda assim difíceis de dominar”. De acordo com Salim, os combos complicados serão gratificantes.
(Para além das batalhas, as passagens de plataformas também desempenharão um papel importante e desafiarão a tua destreza). src=”https://www.global-esports.news/wp-content/uploads/2023/12/In-addition-to-combat.jpg” width=”3840″ height=”2160″ /☻

“Os Metroidvanias são perfeitos para o luto “

O mundo do jogo 2.5D é surpreendentemente colorido e nada sombrio Deve estar cheio de vida e confrontar-te com xamãs, fantasmas ou criaturas sobrenaturais da cultura Bantu. Duas áreas centrais fixam-te no mundo, mas percorres diferentes regiões, como florestas ricas ou estepes áridas, de acordo com o princípio Metroidvania e desbloqueias gradualmente novas rotas e áreas

Para Salim, isto também fecha o círculo da viagem pessoal de Zau, que cresce e encontra um novo gosto pela vida:

“Os Metroidvanias são o género perfeito para abraçar o luto. Atiram-nos para um sítio qualquer, não fazemos ideia e temos de aprender gradualmente a lidar com a situação”.

O aspeto exato desta viagem e os caminhos que o herói toma dependem do jogador, algo que só os jogos, enquanto meio interativo, podem conseguir. Tales of Kenzera: ZAU tem lançamento previsto para 23 de abril de 2024 para PC (Steam, Epic, EA App), PS5, Xbox Series e Nintendo Switch

Conclusão da equipa editorial

A entrevista com Abubakar Salim foi mais como uma reminiscência. Qualquer pessoa que tenha jogado jogos durante toda a sua vida associa tanta nostalgia a este meio, seja, como no meu caso, experimentando os primeiros Sims com um amigo e pastoreando os meus Nintendogs debaixo da árvore de Natal ou, como no caso dele, descobrindo o passatempo com o seu pai.

O facto de Tales of Kenzera estar tão intimamente ligado a ele como pessoa, às suas memórias e também à sua cultura deixa-me curioso em relação ao jogo. Para um jogo de história em particular, é muito importante que a história tenha alma, vulnerabilidade e coragem para lidar com temas mais sérios – especialmente porque o luto e a perda desempenham inevitavelmente um papel grande e importante na vida de todos nós.

Resta saber até que ponto o jogo consegue captar todas estas facetas e se conseguirá associá-las à diversão do jogo. As batalhas rápidas e os saltos dinâmicos do trailer abrem o apetite para mais, mas, para mim, tudo depende da precisão dos controlos, da justiça dos pontos de salvamento e de cura e da existência de desafios suficientes nas batalhas.

RELATED ARTICLES

Dinossauros e robôs: Começaram os novos saldos Steam, eis as nossas 7 recomendações

A nova promoção da Steam junta dois temas muito curiosos e dá-te algumas ofertas muito boas Os dinossauros e...

O que é que vem a seguir em Helldivers 2? Bosses, mechs, novos inimigos – os veteranos da parte...

A comunidade de Helldivers 2 já se questiona sobre o que está planeado para o jogo de tiros no...

Skull and Bones: A grande atualização da 1ª temporada está aqui, todas as novas funcionalidades e notas de correção

Algumas semanas após o lançamento oficial, a primeira temporada de Skull and Bones zarpa. O que está dentro de...